suzi.lira 10 de janeiro de 2019 at 17:45h

Secretário de Agricultura de Ponta Grossa prestigia Toledo

Toledo é reconhecido como a capital do agronegócio. O potencial econômico e produtivo do município, já demonstrado pelas consecutivas vezes que se destacou na liderança do Valor Bruto da Produção (VBP) atrai os olhares de todos os cantos do país. Principalmente de gestores públicos (prefeitos, governadores, entre outros). Um exemplo recente foi a visita do Secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Ponta Grossa, Ivonei Afonso Vieira que veio acompanhado do Diretor de Agricultura e Pecuária, Eldo Berger.

 

Os gestores chegaram em Toledo na última terça-feira (8) e retornaram a Ponta Grossa na tarde desta quinta-feira (10). Neste intervalo trocaram experiências com os gestores locais e visitaram diversas propriedades, onde puderam ter contato in loco com os programas realizados no município.

 

Segundo o Secretário Ivonei Vieira, a viagem foi motivada pelo excelente desenvolvimento de Toledo na área da agricultura e pecuária, bem como pela infraestrutura aplicada, principalmente na base de estradas rurais. “Nos chamou a atenção justamente essa parceria entre prefeitura e produtor rural, uma vez que dos 1600 km de estradas rurais, essa parceria já tem mais de 300 km de estradas prontas e asfaltadas. Além da técnica de preservação ao meio ambiente para evitar erosões nestes casos, consideramos uma técnica muito especial”, destacou Vieira.

 

Ele citou como referência a Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano e Rural de Toledo (Emdur), por ser uma empresa ligada a prefeitura e responsável por esse trabalho. “Outra situação que me chamou a atenção é a disposição de cada um dos técnicos, tanto da prefeitura, quanto da Emdur em nos auxiliar e passar informações. Seja na área de piscicultura, melhoria genética de gado de leite, hortifrutigranjeiros. Sempre foram extremamente abertos e demonstrando o que estão fazendo. Vemos os técnicos fazendo o atendimento de educação e instrução para as pessoas, para que tenham um desenvolvimento melhor na produção”, elogiou o Secretário.

 

Para ele, essa parceria entre produtor e prefeitura foi percebida fortemente como uma mudança de paradigmas. “Normalmente o produtor quer tudo de graça e tem aquela visão paternalista. Aqui [em Toledo] a prefeitura faz com que as pessoas se tornem responsáveis por aquilo que estão pagando e que estão recebendo. - Se é meu, tenho que conservar”, pontuou Vieira.

 

“Normalmente a gente numa visita faz troca de experiências, mas aqui eu estou levando mais do que estou deixando. O Secretário de Agricultura e o prefeito de Toledo nos atenderam muito bem, um atendimento espetacular, muito simples e extremamente conhecedor do município. Percebemos que os secretários tem a liberdade de trabalhar e talvez por isso os resultados que a prefeitura tem tido no seu município”, avaliou o período que esteve em Toledo.

 

Já o Diretor de Agricultura e Pecuária de Ponta Grossa, Eldo Berger, foi além em sua avaliação. “Eu tive a impressão de que a qualidade de vida aqui é espetacular e que a desigualdade social não é tão acentuada. Isso é muito importante do ponto de vista social. Entre as experiências que levamos, com certeza nós precisamos melhorar nossa assistência técnica ao produtor. Isso é algo que trará resultados imediatos para Ponta Grossa. Os exemplos daqui poderão ser aplicados lá”,

acrescentou o Diretor.

 

Feira Verde

Umas das experiências de sucesso em Ponta Grossa, compartilhada pelos gestores, foi a Feira Verde. Segundo o Secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Ponta Grossa, Ivonei Afonso Vieira, consiste em um programa altamente sustentável, que é a troca de produtos recicláveis por alimento.

 

“Com a Feira Verde fazemos o fomento de produção, fomento de comercialização e o atendimento ao meio ambiente, já que você tira dele recicláveis. Esses recicláveis são colocados em associações de recicladores (4 ao todo) e após separados são vendidos e retornam aos recicladores em forma de salários para a manutenção de suas famílias”, explica.

 

Todo esse reciclável que se tira do Meio ambiente significa resíduos que não vão para o Aterro Sanitário, é o que torna o programa sustentável. Com isso, o município também economiza com o serviço de recolhimento de lixo da cidade, já que é uma empresa terceirizada que realiza a atividade

 

Troca por alimentos

A cada quatro quilos de recicláveis, a pessoa que faz a troca recebe um quilo de alimento (hortifrutigranjeiro). A prefeitura faz o contrato com o produtor rural familiar, que vende sua produção para a Feira Verde.

 

Em 2018 foram adquiridas aproximadamente 300 toneladas de hortifrutigranjeiros e trocadas por 1200 toneladas de recicláveis. São três equipes trabalhando em 116 pontos de troca em toda a cidade.