jose.seide 29 de Março de 2022 at 14:24h

Toledo mantém liderança estadual em geração de empregos per capita

A exemplo do que ocorreu em 2021, Toledo obteve, em termos proporcionais, o melhor resultado deste ano em geração de empregos formais entre os 21 municípios paranaenses com mais de 100 mil moradores. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira (29) pelo Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), houve, nos dois primeiros meses deste ano, 6.399 admissões e 4.789 desligamentos na Capital Paranaense do Agronegócio, um saldo de 1.610 novos postos de trabalho ou 11.288,76 para cada 1 milhão de habitantes.

 

Neste quesito, o “Top Five” conta ainda com Curitiba (8.756,94), Araucária (6.914,52), Pinhais (6.195,22) e Cascavel (5.969,92). Em números absolutos, Toledo está na quinta posição, atrás de Curitiba (17.064), Maringá (2.247), Cascavel (1.984) e São José dos Pinhais (1.695).

 

Dos 1.610 novos empregos gerados em Toledo, 1.037 (2.728 admissões/1.691 desligamentos) foram gerados pelo setor de serviços, 384 (1.801/1.417) pelas indústrias, 245 (606/361) pelas empresas de construção e 44 (125/81) pela agropecuária. O comércio teve saldo negativo de 100 (1.139/1.239).

 

Fevereiro

No segundo mês de 2022, Toledo criou 621 novos empregos (3.035 admissões e 2.414 desligamentos). Em termos relativos, o município encontra-se na 2ª posição, com 4.353,46 novos postos de trabalho para cada 1 milhão de habitantes, atrás somente da Capital do Paraná (5.090,77). O “Top Five” é composto ainda por Araucária (4.021,50), São José dos Pinhais (3.582,95) e Cascavel (3.580,75).

 

Em números absolutos, Toledo ocupa a 8ª posição entre municípios do Paraná com mais de 100 mil habitantes. As cinco primeiras posições ficaram com Curitiba (9.920), Maringá (1.211), Cascavel (1.190), São José dos Pinhais (1.179) e Londrina (848).

 

O setor de serviços foi responsável por 252 (928 admissões/691 desligamentos) dos 621 novos postos de trabalho criados em fevereiro no município. Os setores de serviços, indústria e agropecuária tiveram, respectivamente, superávit de 252 (1.057/805), 203 (984/781) e 23 (65/42). Os estabelecimentos comerciais demitiram mais do que contrataram: saldo negativo de 8 (618/626).