Superávit: Toledo fecha as contas de 2023 no azul

Publicado: Seg, 15/01/2024 13:50 | Modificado: Qua, 17/01/2024 09:19
  • Município deixou dificuldades causadas pela frustração de receitas para trás, “apertou o cinto” e encerrou o ano passado com saldo positivo de R$ 205,698 mi
    Município deixou dificuldades causadas pela frustração de receitas para trás, “apertou o cinto” e encerrou o ano passado com saldo positivo de R$ 205,698 mi
  • Município deixou dificuldades causadas pela frustração de receitas para trás, “apertou o cinto” e encerrou o ano passado com saldo positivo de R$ 205,698 mi
    Município deixou dificuldades causadas pela frustração de receitas para trás, “apertou o cinto” e encerrou o ano passado com saldo positivo de R$ 205,698 mi
  • Município deixou dificuldades causadas pela frustração de receitas para trás, “apertou o cinto” e encerrou o ano passado com saldo positivo de R$ 205,698 mi
    Município deixou dificuldades causadas pela frustração de receitas para trás, “apertou o cinto” e encerrou o ano passado com saldo positivo de R$ 205,698 mi

 

Realizada no auditório no Edifício Luis Brandalize (Palácio do Consumidor), a reunião semanal dos secretários municipais em Toledo desta segunda-feira (15) foi iniciada com uma ótima notícia. O secretário da Fazenda, Jadyr Cláudio Donin, apresentou aos seus pares os resultados financeiros e orçamentários referentes ao exercício 2023, que apontaram para um superávit de R$ 205,698 milhões em 31 de dezembro do ano passado.

Além de compartilhar a notícia aos colegas, ele e o prefeito Beto Lunitti, apresentaram detalhes a profissionais da imprensa em coletiva realizada após a reunião do secretariado. Na ocasião, foram destacadas as ações adotadas pelo município a fim de superar o quadro de frustração de receitas que se vislumbrou a partir do primeiro quadrimestre do ano, as quais culminaram, só em 2023, num saldo (diferença entre receitas e despesas) de R$ 65,577 milhões.

De acordo com o chefe do Executivo, o bom resultado surpreende pelo fato de as contas de 2023 terem ficado ‘no vermelho’ até outubro. “As medidas que adotamos e a vinda de recursos possibilitou que, a partir de então, a situação se equilibrasse. Graças à nossa articulação enquanto prefeitura, mas também da Amop [Associação dos Municípios do Oeste do Paraná], AMP [Associação dos Municípios do Paraná] e CNM [Confederação Nacional dos Municípios] no Congresso Nacional e junto ao governo federal, bem como à sensibilidade do Governo do Estado, houve nos últimos meses aportes importantes, incluído aí o proveniente da renovação de contrato com a Sanepar [Companhia de Saneamento do Paraná], com os quais foi possível terminar ‘no azul’ o ano passado”, relata.

No fim de 2022, o superávit foi de R$ 140,121 milhões, o que representa um acréscimo de 46,80% em apenas um ano – no início da atual gestão, o superávit estava em R$ 106,808 (aumento de 92,59%). Dos R$ 205,698 milhões disponíveis, R$ 153,122 milhões (74,44%) encontram-se vinculados e R$ 52,576 milhões (25,56%) estão livres. “Estes números nos dão algum conforto, mas não quer dizer que Toledo ‘dorme em berço esplêndido’. Com as finanças equilibradas, precisamos continuar aplicando bem os recursos provenientes dos impostos pagos pela população, realizando obras e mantendo serviços de qualidade, seguindo o princípio dos três E’s: eficiência, eficácia e efetividade”, salienta.

Além de “apertar o cinto”, o governo municipal contou com uma grata surpresa: o total arrecadado por meio da cobrança de impostos, ganhos de capital e de repasses dos governos e estadual foi de R$ 816,113 milhões, R$ 112,791 milhões (16,04%) a mais que o previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) aprovada pela Câmara de Vereadores no fim de 2022. 

Do total arrecadado, R$ 301,905 milhões (36,99% do total) provêm de recursos próprios, R$ 281,289 milhões (34,47%) de repasses do Governo do Estado, R$ 197,384 milhões (24,19%) de repasses da União e R$ 35,535 milhões (4,35%) de receitas de capital. “Estamos na seleta lista de municípios cuja arrecadação própria é maior que as demais fontes de custeio. Isto é resultado da competência do trabalho realizado pela equipe da Secretaria da Fazenda, tudo feito dentro da legalidade, sem devassa a quem quer que seja”, destaca o titular da pasta.

 

Limites

Apesar de ter necessitado contratar centenas de servidores para suprir quadros defasados de várias secretarias, o governo municipal comprometeu 46,28% de seu orçamento com despesas de pessoal. Este percentual está abaixo do limite prudencial de 51,3% estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Por falar em limites, Toledo tem cumprido os mínimos constitucionais para a saúde – destinando 31,02% do orçamento, quando o obrigatório é 15% – e para a educação (a Carta Magna exige investimento de ao menos 25% e o município destinou 26,2% em 2023). 

 

Passivos

Beto e Jadyr também discorreram sobre assuntos não tão agradáveis, como o crescimento expressivo do passivo em precatórios (pagamento de indenizações decorrentes de ações judiciais para as quais não cabe mais recursos), que estava em R$ 48,741 milhões no fim de 2022 e agora, após o pagamento de R$ 7,813 feito no ano passado e o acréscimo de R$ 120,089 milhões a esta conta, o total chega a R$ 161,017 milhões, sendo que R$ 26,835 milhões precisam ser desembolsados ainda neste ano.

Estima-se que quase o dobro deste valor (R$ 52,5 milhões) será destinado em 2024 pelo município para cobrir o deficit atuarial (calculado com base na estimativa de despesas futuras) do Fundo de Aposentadorias e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Toledo (Fapes/Toledoprev), estimado em R$ 1,3 bilhão. Em 2023, este repasse foi de R$ 43,308 milhões (17,5% a menos). 

A dívida fundada do município terminou o ano em R$ 96,556 milhões. Este valor é 1,52% menor do que o registrado no início da atual gestão (R$ 98,051 milhões).

 

IPTU

Assunto bastante debatido em todo começo do ano, a cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) também mereceu destaque. Em 2024, não haverá aumento do tributo, somente correção inflacionária de 3,71%, obrigatória por lei e referente ao Índice Nacional de Preços aos Consumidor (INPC) dos 12 meses anteriores.

Com isso, estima-se que a soma dos valores de IPTU que serão lançados nos próximos dias passe de R$ 64,077 milhões em 2023 para R$ 66,454 milhões neste ano. Há, porém, a expectativa de um acréscimo de R$ 5,183 milhões oriundos de imóveis situados em loteamentos que foram criados ou de imóveis que foram regularizados em 2023, bem como do acréscimo na ordem de R$ 3,593 milhões na cobrança do imposto a contribuintes que ampliaram suas propriedades sem avisarem ao município. “Aumentos acima de 3,71% só em imóveis cujo georreferenciamento notou esse aumento na quantidade de metros quadrados de área construída”, observa o prefeito. 

 

EVOLUÇÃO DO SUPERÁVIT

31/12/2020 – R$ 106,808 milhões

31/12/2022 – R$ 140,121 milhões

31/12/2023 – R$ 205,698 milhões

Crescimento de R$ 98,890 milhões (+92,59%) entre 2020 e 2023

Crescimento de R$ 65,577 milhões (+46,80%) entre 2022 e 2023

 

DIVISÃO DOS RECURSOS DISPONÍVEIS

Livres – R$ 52,576 milhões

Vinculados – R$ 153,122 milhões

 

RESULTADO ORÇAMENTÁRIO

Receitas – R$ 816,113 milhões

Despesas empenhadas – R$ 746,181 milhões

Transferências a entidades – R$ 15,675 milhões

Cancelamento de empenhos – R$ 11,320 milhões

Superávit em 2023 – R$ 65,577 milhões

 

DETALHAMENTO DO SUPERÁVIT

Recursos Livres/Execução Orçamentária – R$ 52,603 milhões

Recursos Livres/Desvinculação – R$ 18,230 milhões

Saúde – R$ 16,119 milhões

Educação – R$ 10,036 milhões

Assistência Social/SMDH – R$ 2,172 milhões

Fundos Municipais da Criança e do Adolescente e do Idoso – R$ 3,035 milhões

Cosip – R$ 45,373 milhões

Fundo Procon – R$ 7,946 milhões

Fundo de Saneamento (Sanepar) – R$ 12,445 milhões

Fundo Municipal do Meio Ambiente – R$ 3,806 milhões

Alienação de ativos – R$ 8,819 milhões

Finisa – R$ 10,152 milhões

Convênio com Itaipu Binacional – R$ 5,053 milhões

Demais fontes (convênios, emendas parlamentares etc) – R$ 9,909 milhões

TOTAL – R$ 205,698 milhões

 

RECEITAS 2023

Previsão LOA 203 – R$ 703,322 milhões

Arrecadação – R$ 816,113 milhões

Diferença – R$ 112,791 milhões (16,04%)

 

DESCRIÇÃO DAS RECEITAS

Próprias – R$ 301,905 milhões (36,99% do total)

Repasses do Governo do Estado – R$ 281,289 milhões (34.47%)

Repasses da União – R$ 197,384 milhões (24,19%)

Receitas de capital – R$ 35,535 milhões (4.35%)

TOTAL – R$ 816,113 milhões

 

VARIAÇÕES LIMITES CONSTITUCIONAIS E DA LRF

Destinação do orçamento para – 2020 – 2021 – 2022 – 2023

Investimentos em saúde* – 26,27% – 27,50% – 29,51% – 31,02%

Investimentos em educação – 25,01% – 25,03% – 25,52% – 26,20%

Gastos com pessoal – 49,99% – 45,26% – 44,97% – 46,28%

 

PRECATÓRIOS

Saldo em 31/12/2022 – R$ 48,741 milhões

Valor pago em 2023 – R$ 7,813 milhões

Acréscimo de julgados em 2023 – R$ 120,089 milhões

Saldo em 31/12/2023 – R$ 161,017 milhões

Obrigação de pagamento em 2024 – R$ 26,835 milhões

 

DÍVIDA FUNDADA

Saldo em 31/12/2022 – R$ 81,046 milhões

Pagamentos em 2023 – R$ 10,265 milhões

Acréscimo em 2023 (Encargos, Finisa e Pasep) – R$ 25,775 milhões

Saldo em 31/12/2023 – R$ 96,556 milhões

Saldo em 31/12/2020 – R$ 98,051 milhões

Redução na atual gestão – R$ 1,495 milhões (redução de 1,52%)

 

FAPES/TOLEDOPREV

Apurado em 30/10/2023 – R$ 1,27 bilhão

Previsão em 31/12/2023 – R$ 1,3 bilhão

Aportes para cobrir déficit atuarial – R$ 43,308 milhões em 2023 e R$ 52,5 milhões (previsão) em 2024

 

ARRECADAÇÃO COM IPTU

Valores lançados em 2023 – R$ 64,077 milhões

Reajuste inflação 2023 (INPC de 3,71%) – R$ 2,377 milhões

Subtotal – R$ 66,454 milhões

Acréscimo de novos loteamentos e imóveis regularizados em 2023 – R$ 5,183 milhões

Acréscimo advindo de contrato do georreferenciamento – R$ 3,593 milhões

Total IPTU a ser lançado em 2024 – R$ 75,230 milhões