Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água

Publicado: Qui, 13/04/2023 15:50 | Modificado: Qui, 13/04/2023 17:45
  • Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
    Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
  • Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
    Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
  • Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
    Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
  • Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
    Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
  • Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água
    Inovameat: Encontro Brasileiro discute manejo e conservação do solo e da água

 

Toledo é um município pioneiro na região quando o assunto é manejo e conservação de solo. Nos anos 80 os gestores da época já tinham essa preocupação e passaram a adotar práticas mais sustentáveis fazendo as correções para evitar os danos trazidos com as enxurradas. Durante a realização do Inovameat 2023 essa temática também estava presente com a realização do Encontro Brasileiro de Manejo e Conservação do Solo e da Água, organizado pela Associação dos Engenheiros Agrônomos de Toledo (AEA-Toledo). 

Técnicos, engenheiros, acadêmicos e pesquisadores de várias universidades, cooperativas, instituições e empresas da área qualificaram o debate nos dois dias do evento, 12 e 13 de abril, no anfiteatro do Centro de Eventos Ismael Sperafico. Na pauta, os principais desafios para conciliar produção x conservação. 

O presidente da AEA-Toledo, Leodacir Zuffo, reforçou sobre o pioneirismo de Toledo, um dos primeiros municípios a adotar as práticas de conservação de solo por meio da implantação dos terraços (cuja função é reter o escoamento e permitir a retenção e infiltração da água) e murundus (um tipo de microrrelevo em forma de pequena elevação, geralmente arredondado). Mas, segundo ele, com o passar do tempo veio o plantio direto na palha, “esse sistema não havia revolvimento do solo, com isso os problemas se estabilizaram. Com o passar do tempo, o produtor deixou de lado essas práticas em função da evolução da tecnologia do maquinário. O produtor adaptou o solo à máquina e não a máquina ao solo. Ele rebaixou e retirou terraços achando que estava resolvendo o problema, só que a compactação de solo continua”, lamentou Zuffo. 

O engenheiro comentou ainda que das cinco características do cuidado do solo, uma é química e as outras quatro são físicas, porém a maioria dos técnicos trabalham para resolver somente a  característica  química. “Enquanto isso, o solo está padecendo”, alertou. Zuffo apontou a lógica do mercado como fator que induz o produtor a optar, por exemplo, pela monocultura, quando o ideal seria o manejo de cultivares. “Nosso solo é muito bom, mas não sabemos até quando vai aguentar. O produtor precisa manejar o solo, pois ele é um ser vivo, tem microrganismos que precisa de matéria orgânica para suportar todo o montante de maquinário que passa por cima”, complementou. 

Temáticas - entre os cases apresentados durante o encontro estavam: Carbono Neutro na Produção Agropecuária: Uma experiência exitosa; Conservação do solo e os processos erosivos, estudo de caso em Toledo-PR; Degradação do solo agrícola - Mecanismos envolvidos e forma de evitá-los; Os efeitos de remineralizadores na fertilidade do solo; Tráfego Intensivo de Máquinas - Problemas e Soluções; Qualidade do sistema de plantio direto com vistas à conservação do solo; Efeitos da cobertura de solo na produtividade final em anos com déficit hídrico; e Levantamento atual da fertilidade do solo do Oeste do Paraná.

Autoridades - Na abertura do Encontro, o prefeito Beto Lunitti destacou a importância de voltar à tona um assunto tão importante. “Com o avanço das tecnologias para o campo, o aumento no tamanho dos maquinários, o plantio direto, fomos nos descuidando um pouco desta questão. Mas diante do cenário atual, faz-se necessário voltarmos nosso olhar para essa situação. Fomos pioneiros neste trabalho e agora retomar essas discussões faz-se extremamente necessário”. 

Lunitti ainda citou que o trabalho de diversos setores envolvidos, governamentais e iniciativa privada. “Agradecer a preocupação de todos e também a presença aqui. Técnicos, engenheiros, servidores municipais e de outras esferas, estudantes e toda a nossa massa crítica ligada ao agronegócio. É papel dos agentes públicos zelar pelos territórios e ser protagonista no fortalecimento dos setores produtivos. Para mantermos nossa liderança na produção de alimentos do Paraná, sabemos o quanto é importante o solo e a água”, frisou.

O gestor toledano ainda agradeceu a presença de todos os representantes dos órgãos estaduais, entre eles o representante do secretário da Agricultura e Abastecimento do Paraná, Norberto Ortigara, no evento, Paulo Salesi. “A conservação de solos e água é uma preocupação que aflige também o estado. A sustentabilidade é uma das prioridades para a SEAB [Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento] e isso passa por esse tema, contemplando também as estradas rurais e o armazenamento de água. É uma fala que estará muito presente nas tratativas a partir de agora”, disse Salesi.

Ao final, Lunitti parabenizou o vereador Leoclides Bisognin por ser o precursor da conservação de solos em Toledo. “Bisognin, engenheiro agrônomo, foi um batalhador desta causa. Em seus relatos, sempre nos trouxe a dificuldade para a implementação de uma política correta de manejo de solos quando fomos pioneiros nesta questão”, concluiu.