Toledo confirma segundo óbito causado pela dengue no atual ano epidemiológico

Publicado: Ter, 05/03/2024 16:57 | Modificado: Qua, 06/03/2024 17:30
  • A situação serve de alerta para a gravidade do problema enfrentado por Toledo, mas que atinge também o Paraná e o Brasil
    A situação serve de alerta para a gravidade do problema enfrentado por Toledo, mas que atinge também o Paraná e o Brasil

 

A Secretaria de Saúde confirmou nesta terça-feira (5) o segundo óbito por dengue no município de Toledo. O paciente, do sexo masculino, 78 anos, tinha comorbidades e foi  atendido no Pronto Atendimento Municipal Doutor Jorge Nunes (PAM/Mini Hospital) no dia 03 de fevereiro, onde permaneceu internado até dia 07, quando foi transferido para o Hospital de Retaguarda de Cascavel, evoluindo para óbito três dias depois.

A situação, conforme a secretária de Saúde, Gabriela Kucharski, serve de alerta para a gravidade do problema enfrentado por Toledo, mas que atinge também o Paraná e o Brasil. “Apesar da morte confirmada hoje ser de um idoso e com doenças pré-existentes, a dengue pode atingir todas as faixas etárias, até mesmo na sua forma mais grave”, disse. 

A primeira morte pela doença em Toledo também foi de um homem, 62 anos, e ocorreu no dia 9 do mês passado. Uma semana depois, o município decretou situação de emergência motivada pelo crescimento exponencial no número de casos da doença no município.

Segundo dados do último boletim da Secretaria Estadual de Saúde (SESA), o Paraná já atingiu 37 óbitos, sete a mais do que no ano epidemiológico compreendido entre agosto de 2019 e julho de 2020, período da pior epidemia de dengue no estado.

Casos seguem aumentando - De acordo com o boletim epidemiológico mais recente, publicado na última sexta-feira (1º) pela SMS, Toledo já tem 1.009 casos confirmados da doença, número que pode crescer significativamente, pois havia 831 pessoas com sintomas da doença aguardando resultado do exame. Somando os casos confirmados, em análise e os 1.136 que já foram descartados, 2.976 pessoas com sintomas da doença (manchas avermelhadas na pele, dor abdominal, febre, dor no corpo, cansaço, entre outros) procuraram os serviços públicos e privados de saúde desde 1º de agosto de 2023, início do atual ano epidemiológico.

A evolução acima da média na quantidade de casos fica evidente ao se avaliar que no ano epidemiológico em 2021/2022 o atual patamar de confirmações só foi atingido na primeira quinzena de maio; em 2022/2023, no fim de junho. Mais de 60% das pessoas infectadas residem em cinco bairros: Europa/América (381), Fachini (84), Coopagro (58), Santa Clara IV (52) e Porto Alegre (43).

Dessa forma, a SMS, por meio do setor de Controle e Combate às Endemias, reforça o pedido para a população redobrar as ações de combate e prevenção ao mosquito nos imóveis onde mora e trabalha, impedindo que este se reproduza em locais onde a água pode acumular, tais como vasos, pneus, garrafas, calhas, plantas, entre outros lugares. Também recomenda às pessoas que apresentarem sintomas de dengue a procurarem imediatamente atendimento médico, evitando os quadros mais graves da doença. 

Outro ponto fundamental para frear a disseminação da dengue em nosso município, é a realização das vistorias pelos agentes de combate a endemias (ACEs) nos imóveis. Dessa forma, quando baterem em sua casa, facilite o trabalho deles e siga todas as orientações que forem dadas.